segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Subsídios e Dinâmica: Lição 03: Joel: O Derramamento do Espírito Santo

15 DO OUTUBRO – DIA DO PROFESSOR
Parabenizo as professoras e professores pelo seu dia. 


 Aproveito também a oportunidade para conclamar a todas e todos a continuarem a cumprir a nobre tarefa de ensinar a Palavra de Deus, edificando a formação espiritual e moral dos alunos!
- Falem: A aula de hoje será sobre o livro de profeta Joel, o segundo de uma série de 12 livros que estamos estudando neste trimestre. A lição tem como título “Oseias – Joel: O Derramamento do Espírito Santo.
- Trabalhem o conteúdo proposto na lição de forma objetiva, sem suprir partes importantes.
Leiam a lição pelo menos 02 vezes, anotem os pontos mais importantes. Pesquisem sobre este tema em livros e sites confiáveis. Não percam o foco do tema da aula, daí a importância de levantar pontos principais e não se prender em pontos pouco relevantes. Preparem-se para ministrar a aula!
- Apresentem a divisão e a mensagem do livro:
Parte I: Praga de Gafanhotos – 1.1 a 2. 27
Parte II: Eventos dos fins dos tempos – 2.28 a 3.21
- Falem sobre o contexto histórico:
Profetizou em Judá – Reino do Sul, em 835 a.C.
Não há menção de nenhum rei no livro, mas depreende-se que, pela data, Joiada era o regente da época.
- Trabalhem o conteúdo da lição de forma participativa, buscando o envolvimento do aluno com a aula. Dessa, forma aprendizagem será mais significativa.
Quando vocês falarem sobre o derramamento do Espírito Santo, utilizem a dinâmica “Pentecostes”.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “A Promessa do Pai”, que proporcionará a reflexão sobre o cumprimento das promessas divinas.
 Aproveitando o relato da praga no livro de Joel, se desejarem leiam o texto “O Gafanhoto e o Príncipe” e em seguida façam alguns questionamentos, tais como:
 "Os gafanhotos" podem representar o que  para o reino de Deus?
 Que atitudes temos tomado, como integrantes do reino, para banir “os gafanhotos”? Temos utilizado as 'armas' corretas?
Dinâmica: Pentecostes
Objetivo: Representar a descida do Espírito Santo através da expressão oral em várias línguas.
Material: 01 versículo bíblico em várias línguas, por exemplo: João 3.16 em Inglês, Francês, Espanhol, Português etc. Vocês podem conseguir, o trecho bíblico em vários idiomas, através da Bíblia on line.
Português: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Inglês: For God so loved the world, that he gave his only begotten Son, that whosoever believeth on him should not perish, but have eternal life.
Espanhol: Porque de tal manera amó Dios al mundo, que ha dado á su Hijo unigénito, para que todo aquel que en él cree, no se pierda, mas tenga vida eterna.
Alemão: Also hat Gott die Welt geliebt, daß er seinen eingeborenen Sohn gab, auf daß alle, die an ihn glauben, nicht verloren werden, sondern das ewige Leben haben.
Francês: Car Dieu a tant aimé ceux qu’il a disposés, qu'il a donné son seul Fils engendré, afin que chacun d’eux qui croit en lui ne périsse point, mais qu'il ait la vie éternelle.
Procedimento:
- Falem sobre a descida do Espírito Santo que aconteceu de forma visível e audível.
- Leiam  Atos 2. 2 a 4.
- Falem: Agora vamos representar a expressão audível da descida do Espírito Santo.
- Entreguem o versículo em línguas diferentes para os alunos.
- Solicitem que leiam o versículo, todos ao mesmo tempo.
- Leiam Atos 2. 14 ao 18.
Observação: Caso não haja alunos na sala que falem uma língua estrangeira, vocês podem pedir ajuda a outra pessoa da igreja que lhe auxilie, ou indicando pessoas para falar ou ensinar a pronúncia das palavras.


Dinâmica: A Promessa do Pai
Objetivos: Refletir sobre o cumprimento das promessas divinas.
                  Renovar a esperança e a fé nas promessas de Deus.
Material: 01 folha de papel ofício dividida ao meio por um traço e caneta, para cada aluno.
Procedimento:
- Perguntem o que significa a palavra “Promessa”.
 Segundo o Dicionário Michaelis é ”1. Ato ou efeito de prometer. 2 Declaração pela qual alguém se obriga, pela fidelidade e pela justiça, a fazer ou deixar de fazer alguma coisa”. Há outros significados.
- Falem acerca da importância do cumprimento das promessas a nível terreno. Também reflitam sobre do incômodo causado quando há falhas nas promessas e o estado de felicidade promovido por uma promessa cumprida.
Vocês já passaram por alguma dessas situações? Vocês ocasionaram ou foram vítima?
- Agora, afirmem: Deus não falha em suas promessas.
Leiam Nm 23.19.
- Falem: Nesta lição, estamos estudando sobre o derramamento do Espírito Santo – uma promessa do Pai, cumprida no Dia de Pentecostes. Leiam: Atos 1. 4, 5 e 8; 2. 1 ao 4, 14 a 18. Este é apenas um exemplo de suas promessas que se cumpriram.
Vocês têm esperado por muito tempo por uma ou mais promessas divinas para sua vida? Vocês encontram-se desencorajados? Sem fé? Sem forças? Calma!
Lembrem-se do que Deus já fez por vocês!
Entreguem uma folha de papel ofício para cada aluno divida ao meio por um traço.
- Solicitem aos alunos que escrevam do lado direito as promessas ainda não foram cumpridas.
- Falem: Lembrem-se do que Deus já fez por você! Façam do lado direito da folha, uma lista das situações que Ele cuidou e providenciou socorro para você! Observem o quanto Deus já fez por vocês. Firmem-se em Suas promessas!
- Concluam, lendo:  II Pe 3.09a e Sl 125.01

Texto de Reflexão: O gafanhoto e o Príncipe!


No jardim real de um palácio havia um gafanhoto comendo algumas plantinhas, estava tranquilo, não tinha aparentemente nenhum predador por perto, tudo num clima aparentemente confortável.
O filho do Rei, um garoto que sabia táticas de guerra, artes marciais, muitas culturas, educação de príncipe, tal garoto real, ao passear pelos campos do palácio, avistou um pequeno jardim, viu a beleza das flores, plantas, árvores, ficou encantado com tal beleza.
Porém, uma pequena formiga lhe picou, causando uma pequena dor, espantado com o ataque daquela formiga, se irou com as formigas que estavam no jardim, os mosquitos, borboletas, e a cada inseto lhe irritava, começou a pisar nos bichinhos e ainda, sacou um estilingue e começou a matar os pequenos insetos, atirando pequenas pedras, matava um a um, após acertar alguns pequeninhos insetos, se aproximou o gafanhoto que estava neste jardim e disse ao príncipe:
- Por que está nos matando?
O garoto lhe respondeu:
- Bicho fala?
- Era o que me faltava!
Exclamou em voz alta:
- Por causa de uma formiga, todo o formigueiro irá pagar!
- Mato estes insetos inúteis porque sou o Príncipe destas terras, sou o filho do Rei, faço o que desejo e ninguém pode me impedir!
O gafanhoto lhe indaga:
- Você não é nosso rei, tão pouco lhe conheço! Diga-me a causa de tanta maldade?
O garoto prontamente lhe responde:
- Não me conhece? Então saberás que sou o Higor, filho do Rei Neias, Neto do Rei Miquels, o todo poderoso destas terras!
- Vou lhe matar por tal insolência!
Logo pegou o estilingue e atirou contra o gafanhoto, o pequeno inseto pulou, pulou e fugiu, e em sua escapada, percebeu que o garoto estava pisando nas formigas, matando outros insetos, assim sendo na fuga, com ira no coração, o gafanhoto prometeu vingança. Em seu vôo o gafanhoto olhou para o reino e colocou em seu coração que iria destruir aquele reino.
Ao se passar alguns meses, como todos sabem, os gafanhotos se defendem em grupos grandes, aquele gafanhoto foi treinar táticas de guerra, e se transformou no maior general gafanhoto de todos os tempos, sabia de tudo sobre guerra, destruição, planejamento, organização e estratégias, se tornou um ótimo gestor, logo começou a arquitetar sua vingança, contaminou o coração dos outros líderes gafanhotos, e juntou uma multidão de gafanhotos.
Separou os exércitos por capacidade e habilidade, os treinou com muito afinco, de fato ele tinha em suas mãos uma maquina de guerra quase que invencível! Organizou o exército, e mandou milhares de gafanhotos migradores, para assustar o povo do reino, logo em seguida milhares de gafanhotos cortadores, que cortavam folhas, pequenas árvores, foi um pânico generalizado no reino.
Logo em seguida foram os gafanhotos devoradores, afim de devorar todas as plantações do reino, não deixando nada para o povo daquele reino, sendo que as plantações eram a grande riqueza daquele povo! E por fim, foram os gafanhotos destruidores, que entraram nas casas e destruíam tudo que apareciam pela frente, deixando aquele reino numa total miséria.
O gafanhoto vingativo foi até ao príncipe e após muito procurar, achou-o escondido numa pequena caverna ao sul do reino, juntamente com seus pais e amigos reais.
O garoto se lembrou do gafanhoto e perguntou a tal inseto o porquê daquela destruição. O gafanhoto lhe respondeu com o mesmo ar arrogante que o Príncipe tinha conversado com ele a meses atrás:
- Por causa de um menino todo reino pagará!
Virou as costas e se foi, voou com seus liderados e foi para os campos longe do reino.
Autoria desconhecida

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Postado por Sulamita Macêdo, Blog Atitude de Aprendiz

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...