segunda-feira, 18 de março de 2013

Juvenis - Lição 12: Pobreza é maldição? (DINÂMICA)


Professoras e professores, para esta lição, apresento as seguintes sugestões:
- Para iniciar a aula, destinem pelo menos 05 minutos para manter um contato com os alunos, antes de introduzir o tema da aula. Para isso, vocês devem perguntar como eles passaram a semana; observem atentamente o que eles estão falando, pois vocês podem detectar se há alguém precisando de oração, de uma conversa etc. Apresentem os visitantes.
Vejam também qual o melhor horário para vocês apresentarem os alunos aniversariantes da semana, se houver.
Com esta atitude, somada aquela do início da aula, vocês estão formando vínculos afetivos com os alunos.
- Iniciem o estudo da lição, colocando no quadro ou cartolina as seguintes perguntas:
Ser pobre é pecado?
Pobreza é maldição?
Todo crente deve ser rico?
Solicitem que os alunos emitam suas opiniões.
- Depois, falem que os adeptos da Teologia da Prosperidade afirmam que o crente não pode ser pobre, pois é símbolo de maldição, portanto deve ser rico materialmente.
- Em seguida, apresentem outra pergunta: Mas, é errado ser rico?
Aguardem as respostas.
Após a reflexão, falem: Não é errado ser rico, desde que seja de forma honesta, não se esquecendo do aspecto espiritual e não amando as riquezas.
- Depois, leiam: I Tm 6.10 e Lc 12. 6 a 21.
- Apresentem outros pontos levantados na lição.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Sem Medo de Ser Feliz”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Pensem nisto!
Fujam de uma ministração de aula puramente mecânica. Ensinar não é um ato solitário. Mesmo que vocês tenham se habituado a essa atitude, procurem mudar, mesmo devagar, mas mudem. Utilizem métodos e técnicas diferenciadas nas aulas!
“Mas sempre fizemos assim” pode ser o golpe fatal na criatividade. Para infundir empolgação em nosso ministério de ensino e talvez desenvolver nossa parte de imaginação, precisamos estar dispostos a olhar além do “sempre foi feito assim”. Podemos ficar tão acostumados ao modo como as coisas são feitas que nos recusamos a admitir a existência de caminhos mais eficientes. Também é mais fácil agarrar-se a antigos padrões e torná-los cada vez mais melhores do que tentar inovar”(Marlene D. LeFever).

Dinâmica: Sem Medo de Ser Feliz
Objetivo:
Refletir sobre a verdadeira prosperidade: a felicidade de termos comunhão com Deus.
Material: 01 jarro; papel e caneta para cada aluno.
Procedimento:
- Leiam para os alunos a seguinte história que me contaram. É lógico que não é verdadeira, mas pode nos trazer algumas reflexões:
“Conta-se que o anjo Gabriel deu para Adão e Eva um jarro e disse-lhes:
- Enquanto vocês estiverem com este jarro vocês serão muito felizes.
O casal guardou com cuidado o presente do anjo. Mas... eles pecaram e foram expulsos do Paraíso.
Eva pegou o jarro e deu para Adão levá-lo, que colocou sobre a cabeça. E ao sair do Paraíso tropeçou e o jarro quebrou-se em muitas partes”.
 Autor desconhecido.
- Agora, façam algumas indagações:
Que relação pode ter o jarro quebrado com o pecado e a expulsão do Paraíso?
Qual era o elemento que promovia a felicidade do casal?
Neste contexto, o que pode significar o “jarro”?
Por que era importante guardá-lo com cuidado?
O que pode simbolizar cada parte quebrada?
- Depois dos questionamentos e respostas, apresentem um jarro. Mostrem que está vazio.
- Então, falem: O jarro da história representava o cuidado do casal com a felicidade – a comunhão com Deus.
- Perguntem: O que podemos colocar dentro deste jarro como partes representantes da nossa felicidade? O que preenche o homem interior?
Distribuam papel para os alunos escreverem e em seguida solicitem que coloquem dentro do jarro.
- Depois retirem cada papel e leiam para a turma. Reflitam e analisem se o que foi apontado pelos alunos.
- Para concluir leiam:
Rm 14:17: “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo”.
Mt 6:33: “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas”.
Por Sulamita Macedo.

Texto Pedagógico
Pensando n(a) EBD

            Para refletir sobre a Escola Bíblica Dominical, um bom começo é analisar a situação que está sendo vivenciada – chama-se isto de Análise Situacional.
       É importante uma reunião específica com a presença da superintendência, professores, alunos representantes das classes, pessoal da secretaria etc.
            Devem ser levantados pontos:
1-    Estrutura física: classes dentro do templo, salas para as turmas.
2 - Dados estatísticos: a secretaria da EBD tem dados de frequência e ausência de alunos e professores, evasão etc.
3 – Critérios para escolha dos professores
4 – Treinamentos dos professores
5 – Relações interpessoais: Superintendente x professores x alunos
6 – Currículo
7 – Metodologia das aulas
8 – Tempo de aula
9 – Material didático e equipamentos de apoio para as aulas
10 – Divisão de classes por idade ou por tipo de classe
11  – Alunos com necessidades especiais
12 – Retenção da aprendizagem
13 – Avaliação sistemática da EBD
Após análise destes pontos, o grupo terá uma visão geral da situação da EBD, tanto de pontos positivos e negativos, como os avanços e o que tem ocasionado os problemas.
Agora, é interessante refletir sobre quais os pontos podem ser melhorados de imediato, listando-os e prevendo ações que podem resolver ou minimizar a curto prazo os problemas detectados. Isto se chama Planejamento das Ações.
Depois, listam-se os pontos que, mesmo sendo importantes, não foram escolhidos pelo grupo como prioritários. Mas, deve haver ações previstas a médio e longo prazo para repensar a situação indicada.
Atacar muitas ações ao mesmo tempo pode gerar ansiedade e perda de objetividade devido a disponibilidade de tempo e condições que não dependem do grupo para sanar os problemas, mas isto não deve ser entendido como algo que não possa haver interferência do grupo com ações concretas.
Planejar as ações de forma simples e sem exageros, para dirimir os pontos levantados como problemas, com cronograma e responsáveis pelas atividades são fatores essenciais para o desenvolvimento a contento do trabalho a ser realizado.
Somando-se a isto, há a avaliação do que foi planejado para acompanhar o desenvolvimento das ações previstas. Isto é chamado de Acompanhamento e Avaliação.
Neste momento, o grupo percebe os avanços alcançados, as dificuldades que ainda persistem  e podem redirecionar e redimensionar novas ações e estratégias, pois o coletivo pode avaliar como inadequadas as ações iniciais.
Planejar ações coletivas para a melhoria da EBD é entender que a instituição de ensino da Palavra de Deus é primordial e, portanto, não deve ser feita de forma aleatória, improvisada. Mas, numa perspectiva coletiva é possível pensar, prever e agir para que a Escola Bíblica Dominical alcance maiores resultados no processo de ensino e aprendizagem.
Por Sulamita Macedo.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...