segunda-feira, 29 de abril de 2013

Aula 05 - CONFLITOS NA FAMÍLIA


2º Trimestre/2013 - Texto Base: Ef 5:22-30

"Eu, porém, esperarei no SENHOR; esperei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá" (Mq 7.7).

INTRODUÇÃO

Os conflitos em família existem desde os tempos primordiais. São fruto natural da desobediência do ser humano ao seu Criador. No Éden, antes da Queda, havia um ambiente perfeito, de paz, harmonia e amor. Não sabemos quanto tempo durou esse ambiente. Como se depreende do texto bíblico, o Criador visitava o primeiro casal diariamente, "pela viração do dia" (Gn 3:8), no final das tardes maravilhosas do Paraíso. Entretanto, o "dia mau" chegou e eles não tinham a armadura de Deus de que as famílias cristãs dispõem. Ouvindo a voz do tentador, perderam a doce e gloriosa comunhão com Deus. E a tragédia humana começou. Vieram os filhos. O primogênito, Caim, levantou-se contra o seu irmão, Abel, e o matou, por inveja, face a aceitação, pelo Senhor, do sacrifício do seu irmão. Este primeiro conflito entre irmãos deu início à terrível saga da morte por homicídio no mundo. A boa nova para os nossos dias é saber da possibilidade, em Cristo, de equacionarmos os problemas que, às vezes, afetam a família cristã.

I. DESENTENDIMENTO ENTRE OS CÔNJUGES

Todo casal tem discórdia. A satisfação e a estabilidade das uniões conjugais não estão associadas diretamente à ausência de conflitos, mas à forma com que os cônjuges estabelecem estratégias para solucioná-los. Infelizmente, conflitos podem levar a brigas sérias. Uma briga séria é aquela que desune esposo e esposa, mas nunca resolve a causa do problema. Como resultado, casais acumulam amargura, rixas, raiva descontrolada, ódio e, frequentemente, divórcio.
O que falta a muitos casais é habilidade para discutir os problemas sérios, chegar a um plano para resolvê-los e, então, pôr em ação esse plano. Esta é uma habilidade que muitas pessoas simplesmente nunca aprenderam, mas que pode ser aprendida. 
Um exemplo evidente que a Bíblia narra é o caso do patriarca Abraão e sua esposa Sarah. Houve um conflito entre este casal motivado por Abraão ter gerado um filho em sua serva, Agar. A bigamia trouxe problemas familiares. E o patriarca teve que expulsar a jovem concubina juntamente com seu filho, Ismael. O resultado disso é que ainda hoje os judeus e os árabes se digladiam.
1. Temperamentos diferentes. Temperamento é o conjunto de características negativas e positivas com as quais nascemos e que influenciam o nosso comportamento. É totalmente involuntário e imprevisível. Nenhum pai pode saber ou determinar com qual temperamento seu filho nascerá.
Sabemos que cada ser humano é diferente do outro, que não existe um indivíduo idêntico a outro, porque Deus não produz homens em série, como costumamos ver nas indústrias, mas, sim, dentro de seu supremo poder, cria cada homem individualmente. Esta individualidade do homem, conhecida como personalidade, deve ser dividida, basicamente, em dois elementos básicos: o temperamento e o caráter.
O caráter define uma forma definida de conduta, que não é inata, mas constituída pela história de vida de cada sujeito, considerando a condição social, ambiente familiar, educação e todos os aspectos importantes para a construção das características de cada um. O caráter é influenciado pelo ambiente. O caráter é construído ao decorrer da vida do indivíduo e pode ser modificado.
O temperamento define atitudes e atividades espontâneas, sendo inato. As influências do temperamento dos seres humanos são do sistema nervoso, composição bioquímica, hereditariedade. Estas características definem o temperamento como algo imutável, embora possa ser controlado e dominado.
As pessoas quando aceitam a Cristo, não deixam de ser indivíduos, não perdem a sua individualidade: o caráter muda, mas não o temperamento, que passa a ser controlado pelo Espírito Santo. Portanto, a Salvação não altera a individualidade do salvo, e, portanto, não muda o seu temperamento, que é a parte da personalidade que está ligada à criação, mas, como se trata de uma mudança radical, pois, como ensina o Senhor Jesus, quem é salvo passa da morte para a vida (João 5:24), temos uma transformação completa não no temperamento, mas no caráter.
2. Fatores que trazem conflitos. São muitos os fatores que trazem conflitos entre os casais, podendo ser citados entre eles o sexo, o dinheiro, ciúme, entre outros. A importância em identificar os fatores mais frequentes desencadeadores de conflito refere-se especialmente à possibilidade de os casais aprenderem a estar atentos aos seus focos mais frequentes de desentendimentos. Pesquisas indicam que a tentativa de ignorar os fatores de conflitos não os faz desaparecer, ao contrário, provoca o acúmulo de ressentimentos que tende a retornar com mais força a cada novo impasse - o chamado efeito bumerangue. Vamos citar aqui os mais frequentes.
a) Falta de confiança. O casamento só tem sentido quando fundado no amor verdadeiro. Quando o casal se ama de verdade, quando há respeito mútuo, fidelidade, lealdade, sinceridade e transparência na conduta de ambos, não há motivos para desconfianças ou ciúmes infundados. Paulo diz que "o amor"... "não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal (1Co 13:5b).
b) Tratamento grosseiro. Um dos motivos para a infelicidade, no seio do casamento e da família, é o tratamento indelicado, grosseiro e descortês. Um lar em que a família se trata assim não deve ser chamado de lar cristão, pois onde Cristo habita, deve existir amor, compreensão, respeito, diálogo e tratamento cordial.
A forma com que tratamos uns aos outros é vista por Deus como uma referência para designar quem é sábio ou não, pois a sabedoria é manifesta em obras de mansidão (Tg 3:13), e a mansidão é uma virtude do fruto do Espírito Santo (Gl 5:22). Mansidão significa colocar a inteligência nas emoções. O cônjuge que tem o Espírito Santo tem o caráter de Cristo e é uma pessoa sábia, e, sendo assim, nos momentos abrasadores da convivência ele sabe arrefecer os ânimos colocando a inteligência nas emoções, evitando assim o conflito familiar. Mas, se um cônjuge tratar o outro com indelicadeza, e houver uma resposta no mesmo tom, será conflito na certa. Mas, se um estiver irritado, e o outro, em oração, pedir a Deus a graça de responder como um nascido de novo, as coisas mudarão, pois a "palavra branda desvia o furor" (Pv 15:1). Que Deus nos ajude a praticar as relações humanas, no lar, na igreja, e em toda parte, conforme o manual de Deus para o relacionamento familiar, as Escrituras Sagradas.
c) Dívidas. Um dos fatores que mais traz conflitos numa família, principalmente entre os cônjuges, é a questão financeira. Quando um dos cônjuges é compulsivo e não controla os seus gastos,  mas se envolve em dívidas descompassadas com a capacidade financeiro, sem duvida, nesta família o conflito é inevitável. Muitos ficam sofrendo de doenças nervosas por causa de dívidas. Com Jesus, precisamos aprender a orar pelo “pão nosso de cada dia” (Mt 6:11); se levarmos esse princípio adiante, saberemos consumir com equilíbrio, a fim de satisfazer as necessidades e evitaremos o desperdício (João 6:12). Sejamos cautelosos na aquisição de bens, é preciso sempre avaliar se o orçamento familiar será suficiente para cobrir as despesas (Is 55:2; Lc 15:13,14).
O ato de comprar parece simples e prazeroso, mas não é. Exige planejamento e reflexão. Jamais podemos comprar por impulso, sem pensar no quanto estamos gastando. Quem compra por impulso e não segue um planejamento, cedo ou tarde acabará tendo problemas financeiros. Devemos lembrar que honrar os nossos compromissos contratuais é um dever cristão e isto é bastante agradável a Deus, pois trará bom testemunho no meio em que vivemos. Você deseja ser bem sucedido financeiramente? Então:
- Evite o desperdício e o supérfluo. É nossa tendência pensar que só entre os que têm muitos bens materiais há desperdiço de recursos. A verdade, porém, é que entre a classe pobre há tantos ou mais pessoas que desperdiçam seus recursos de forma dissoluta. Na experiência diária vemos que crentes sem recursos, que vivem do seu ordenado somente, são muitas vezes aqueles que não sabem distribuir o seu dinheiro. Os pobres podem, nesse caso, ser tão esbanjadores como os ricos, levando-se em conta as devidas proporções. Em João 6:12 Jesus ordenou que seus discípulos recolhessem os alimentos que sobrara para que nada se perdesse. Algumas vezes o orçamento acaba porque gastamos com insensatez, onde não se deve ou não se pode.
- Economize, poupe e fuja das dívidas. Sejamos cuidadosos na maneira de gastar o nosso dinheiro, busquemos a direção do Senhor de nossas vidas, para que Ele nos ensine a usar o pouco que nos foi entregue. Economize comprando no estabelecimento que é mais em conta. Racionalize os gastos com água, luz, telefone, etc. (ler Gn 41:35,36; Pv 21:20). Abra uma conta-poupança e guarde um pouco de dinheiro, por menor que seja a quantia. Fuja das dívidas!  
-  Estabeleça critérios para gastar.  Quem estabelece critérios bem definidos sobre o que fazer com cada centavo que possui tem melhores condições de viver sem muito estresse. Vejamos algumas medias necessárias:
·         Aprenda a viver com o que tem;
·         Guarde pelo menos 5% do que ganha em uma poupança;
·         Saiba dizer não ao consumismo;
·         Defina o que é essencial e necessário;
·         Evite fazer dívidas, principalmente com os cheques pré-datados e cartões de crédito.
Talvez você diga que não consegue se enquadrar nesses critérios, porém é possível que alguém seja mais pobre que você e consiga. Então, por que não tentar? Os frutos virão no futuro. Vale a pena começar.
d) Infidelidade. A infidelidade é um mal que não é de hoje, mas que, nos tempos atuais, tem-se intensificado muito comum nos lares sem Cristo, e também tem atingido muitos lares cristãos. A infidelidade conjugal não passa de um instrumento diabólico para a destruição e desagregação da família. A Bíblia diz que o marido deve amar a sua esposa da mesma forma que Cristo ama a Igreja. Ora, o Senhor ama a Igreja com sinceridade, e sobretudo, com fidelidade de lealdade. Esta fidelidade é tão grande, que "se formos infiéis, Ele permanece fiel: não pode negar-se a si mesmo" (2Tm 2:13). Mas, Satanás diz ao esposo: "ora, não é nada demais; procura unir-te a outra mulher: a tua já não te agrada. No fim, tudo dará certo. Os teus amigos não possuem outras mulheres?". Com isso, o inimigo procura desfazer o plano de Deus para a vida conjugal. E muitos homens, mesmo cristãos, têm cedido a essa tentação diabólica, cometendo adultério e prostituição, e desprezando o lar, a esposa, os filhos e seu próprio nome e, o que é pior: desprezando a Deus. A Palavra de Deus considera a infidelidade conjugal como vergonhosa traição aos princípios sagrados, estabelecidos por Deus para o casamento.

II.  ATIVIDADES PROFISSIONAIS DOS PAIS

Em nossos dias, temos visto que pais e mães de família têm se dedicado muito ao trabalho, devido aos muitos desafios financeiros e o custo de vida cada vez mais alto. Isso pode prejudicar a família, se os pais não tiverem um tempo adequado para ficar com seus filhos, participar da educação deles, passar-lhes as tradições da família e acima de tudo, repassar-lhes a fé em Deus e nas Escrituras Sagradas.
1. A mulher no mercado de trabalho. Antigamente, as mulheres desempenhavam um papel puramente doméstico e contentavam-se com isso. Elas eram mães de família, esposas e donas de casa. A cultura dos povos em geral relegava esse papel às mulheres. Mas, nos últimos anos,  a mulher tem ingressado no mercado de trabalho de forma bastante significativo.
A urbanização acelerada, o processo de industrialização e as mudanças culturais, econômicas e sociais têm forçado a participação da mulher em atividades antes próprias dos homens. Por um lado, há um aspecto positivo. Inserida no mercado de trabalho, a mulher sente-se incentivada a demonstrar que não se limita ao papel de mulher doméstica, e comprova que tem capacidade para realizar as mais diferentes ocupações sociais. O nível de estudo das mulheres tem aumentado, e elas concorrem com os homens aos cargos mais importantes da nação. Há queixas quanto à diferença de salário e de natureza dos cargos ocupados pelas mulheres, mas há uma evolução marcante nesse aspecto.
Por outro lado, temos que considerar alguns aspectos negativos da intensa participação da mulher no mercado de trabalho (adaptado do livro: “A Família Cristã e os ataques do inimigo - pr. Elinaldo Renovato, CPAD):
a) A mulher submetida à pesada carga de trabalho. Como profissional, a mulher passa a maior parte das horas úteis do dia envolvida nas atividades profissionais, nos locais onde estão contratadas. Mas, via de regra, também, a mulher desempenha atividades domésticas. Como profissional, muitas vezes, tem que chegar tarde em casa, e o esposo se ressente de sua ausência. Os filhos sentem falta da mãe. Isso causa conflitos. Pode haver entendimento, mas há inconveniências a serem consideradas.
b) Os filhos sofrem com a ausência da mãe. Com a mãe trabalhando fora de casa, os filhos passam a viver com as empregadas domésticas, que, por melhor que sejam, não substituem a mãe. Não sentem pelas crianças o amor do seio materno. As crianças ficam desorientadas, convivendo muitas vezes com pessoas sem a necessária educação. Por outro lado, ficam o dia todo diante da internet(às vezes sem nenhum bloqueio contra sites pornográficos), jogos eletrônicos violentos e da televisão, com liberdade de escolha de programas que perverterão o caráter delas. Os pais que não estão disciplinando os filhos dentro do padrão moral judaico-cristão, correm sério risco de deixarem um legado perigoso às futuras famílias que surgirão, com base na educação que eles estão lhes dando, pois seus filhos estão crescendo sem amor, sem afeto, sem carinho, sem temor aos pais, indisciplinados, violentos, sem temor a Deus.... Como líderes dos seus filhos, os pais devem ser exemplos para eles. Mas muitos são apenas genitores. Geram e deixam os filhos crescerem, dão alimento, roupa, calçado, as melhores escolas (quando podem), dão dinheiro e condições para sua independência. Mas, para a maioria, falta dar aos filhos o principal: amor, atenção, presença na sua formação, no seu desenvolvimento.
2. A ausência dos pais prejudica a criação dos filhos. A ausência da mãe prejudica a formação, a educação. A ausência do pai prejudica a visão que o filho ou a filha deve ter das relações familiares. Muitos pais só dão atenção aos filhos quando eles estão doentes, ou são vítimas de algo trágico, de um acidente, ou ameaça de morte. No mais, passam os anos sem terem diálogo, contato ou aproximação com os filhos. Isso é altamente prejudicial. A presença do pai, no lar, é fundamental para a formação espiritual e emocional dos filhos.

III. MÁ EDUCAÇÃO DOS FILHOS

1. Educação prejudicada. Entende-se por má educação o mau comportamento dos filhos no lar ou fora dele. Neste aspecto, não nos referimos à educação formal dos bancos escolares. Os lares estão prejudicados quanto à educação comportamental. Com o excesso de ocupação dos pais, os filhos são entregues a creches, escolas e a outras entidades do sistema educacional.
O cuidado com os filhos deve anteceder à própria concepção. Devemos estar preparados para, na vontade de Deus, criarmos nossos filhos na doutrina e admoestação do Senhor(Ef 6:4). Devemos ter o mesmo sentimento de Manoá, o pai de Sansão, que orou ao Senhor pedindo orientação divina para a educação de seu filho(Jz 13:8), antes mesmo de seu nascimento. É mister que tenhamos a orientação do Senhor para a educação dos nossos filhos, assim como busquemos todas as informações que a ciência e o conhecimento humano possam nos fornecer para que demos uma vida de qualidade para nossos filhos. Qualidade não significa opulência material, mas é muito mais do que isto: é uma educação com amor, com valores bíblicos, uma educação que faça de nossos filhos verdadeiros servos do Senhor.
Com muita oração, prudência e sabedoria, os filhos devem receber instrução espiritual adequada e progressiva para aprender a colocar sua fé em Deus e não se tornarem desobedientes, teimosos e rebeldes(ver Dt 6:1-9). A ausência dessa instrução é prejudicial ao relacionamento entre pais e filhos e à formação do caráter cristão dos filhos. O ensino da Palavra de Deus molda o caráter e aperfeiçoa a vida moral, emocional e espiritual dos membros da família. Não é tarefa fácil, mas não impossível.
Tome-se como exemplo a mãe de Timóteo, Eunice. Ela, judia, era casada com um grego que não temia o Deus de Israel(At 16:1). Mas isso não impediu que ela instruísse seu filho “no caminho que deve andar”(Pv 22:6). Ela e sua mãe(Lóide) ensinaram a Timóteo a Palavra de Deus, livrando-o das influências do paganismo helênico. O apóstolo Paulo testemunha isso: ”Trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti”(2Tm 1:5). Timóteo tornou-se um zeloso ministro de Deus(1Ts 3:2), fiel no Senhor(1Co 4:17), e um grande cooperador no ministério do apóstolo Paulo (Rm 16:21; 1Ts 3:2).
2. Quem são os professores?  Pergunta o pr. Elinaldo Renovato: “Quem são os professores ou os mestres da maioria das crianças e adolescentes nos dias atuais? Serão os docentes, nas escolas? Serão os professores da ED? Ou serão os pais, dedicados à formação espiritual, moral e ética de seus filhos?
“Infelizmente, para nossa tristeza e graves prejuízos para a nação, os "mestres" por excelência dos filhos em geral são os atores, as atrizes e produtores das empresas de telecomunicação. São os produtores de sites da internet. Estes meios poderiam ser úteis para ajudar na educação das gerações, mas, na prática, são veículos eficazes para a má educação de gerações inteiras.
“Não é por acaso que, no meio das igrejas, há tanta rebeldia entre adolescentes e jovens. É raro ver adolescentes e jovens nos cultos de oração ou de doutrina. Mas é comum vê-los diante da TV, assistindo a algum tipo de "lixo" midiático. A Bíblia, o Livro Sagrado, exorta solenemente os adolescentes e jovens: ‘Afasta, pois, a ira do teu coração e remove da tua carne o mal, porque a adolescência e a juventude são vaidade. Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento’ (Ec 11.10; 12.1)”.
3. Falta de estrutura espiritual e moral. A ausência de regra no lar, a falta de liderança paterna ou liderança dividida, a permissividade, a passividade, a cumplicidade, entre outros, incluem-se nas barreiras que contribuem para a desestruturação do lar.
As Escrituras tratam com muita seriedade a questão da educação e da consagração dos filhos ao serviço do Senhor. O insucesso na área disciplinar paternal associados a filhos rebeldes sintetiza o caos da família. A combinação do relaxamento dos pais com a rebeldia, a obstinação e a teimosia dos filhos atrai o juízo de Deus contra os lares cristãos. Assim aconteceu com a casa de Eli, de maneira que a família sacerdotal foi excluída, para nunca mais exercer nenhuma espécie desse oficio. Eli e sua casa perderam, em caráter irrevogável, tal direito (1Sm 3:12-14). Esse fato denota a severidade de Deus e a consequência dos descontroles na criação de filhos em lares desestruturados.
É importante mencionar que pais e filhos podem contar com boa literatura, dedicada à orientação desse relacionamento no lar, lembrando que, sempre que necessário, devem buscar a ajuda de um conselheiro espiritual que com eles coopere nesse mister.

CONCLUSÃO

Sem dúvida, os conflitos nas famílias ocorrem por falta de humildade entre os cônjuges em resolver determinados problemas que surgem no âmbito familiar. Às vezes, os fatores que levam ao conflito são aparentemente fúteis e débeis, mas grandemente geradores de conflitos, porque são utilizados por Satanás como lenha para acender o fogo destruidor do amor familiar.  O principal  combustível utilizado é o orgulho, a soberba. Na verdade, quando a presença de Deus é prescindida do lar, sem dúvida, o ambiente torna-se carnal, pesado e cheio de manifestações mundanas. Assim sendo, os conflitos são inevitáveis, pois é neste meio em que Satanás opera. Quando no lar o assunto principal são as coisas materiais, quando só se pensa em prazeres materiais, riquezas, dinheiro, diversões e coisas mundanas, então, indubitavelmente, essa casa está conformada com o mundo maligno. Logo, os conflitos são inevitáveis e destruidores. Conflitos na família só se resolve com a graça e amor de Deus no coração, e o mediador mais indicado é o Espírito Santo. A voz de Jesus ecoa à portas desse lares: “Eis que estou à portae bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo”(Ap 3:20). Atentemos ao convite do Senhor Jesus e sejamos felizes para sempre! Amém!
--------
Elaboração: Luciano de Paula Lourenço – Prof. EBD – Assembléia de Deus – Ministério Bela Vista. Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com
Referências Bibliográficas:
Bíblia de Estudo Pentecostal.
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.
O Novo Dicionário da Bíblia – J.D.DOUGLAS.
Revista Ensinador Cristão – nº 54 – CPAD.
Comentário Bíblico Beacon, – CPAD.
Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal.
A Família Cristã e os ataques do inimigo – Elinaldo Renovato – CPAD.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...