segunda-feira, 13 de maio de 2013

Aula 07 – O DIVÓRCIO


2º Trimestre/2013 - Texto Básico:Mateus 19:3-12

Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério” (Mt 19:9)


INTRODUÇÃO

Nesta Aula trataremos acerca do Divórcio. Um assunto bastante polêmico e que custará ao professor todos os cuidados possíveis a fim de evitar conflitos e discussões infrutíferas que não trará nenhuma edificação espiritual. Ressalte-se que o objetivo desta Aula é o de descrever o que as Escrituras Sagradas têm a falar sobre o divórcio. Assim, teremos o respaldo bíblico para agirmos quanto à realidade deste assunto na igreja local. Acredito que ninguém casa pensando no divorcio. As pessoas casam desejando a felicidade, porém relacionamentos são difíceis, as pessoas são difíceis. Para que um casal viva bem é preciso que esteja sempre vigilantes, em constante oração e estudos das Escrituras Sagradas, em constante comunhão com o Senhor Jesus.
I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO
No contexto histórico e cultural do Antigo Testamento, a sociedade era patriarcal por excelência. O homem tinha a hegemonia absoluta, no lar, no casamento, e nas decisões mais importantes da vida social. Dessa forma, o divórcio era um direito e um privilégio do homem. Jesus, porém, aboliu esse privilégio, pois, em sua lei, não pode haver acepção de pessoas (Rm 2:11; Tg 2:1).
1. A lei de Moisés e o divórcio. “Quando um homem tomar uma mulher, e se casar com ela, então será que, se não achar graça em seus olhos, por nela achar coisa feia, ele lhe fará escrito de repúdio, e lho dará na sua mão, e a despedirá da sua casa”(Dt 24:1). Este mesmo versículo na tradução “A Bíblia na Linguagem de Hoje”, assim descreve: “Moisés disse ao povo: Pode acontecer que um homem case, mas depois de algum tempo não goste mais da esposa porque há nela alguma coisa que não agrada a ele. Nesse caso ele deve preparar um documento de divórcio, entregá-lo à esposa e mandá-la embora”. O versículo 2 afirma que a mulher, saindo de sua casa, estava livre para casar outra vez.
Concordam os historiadores que o motivo da inclusão do divórcio na lei de Moisés foi o de proteger os direitos e até mesmo a integridade física das mulheres, que muitas vezes se tornavam vitimas indefesas de maridos corruptos e carnais. Havia ainda a possibilidade de copiarem os costumes do Egito, de onde saíram. Consta que entre os egípcios era costume permutar esposas. Era um atentado à liberdade da mulher, além de ser desonroso.
Foi, portanto, para coibir abusos e evitar excessos “por causa da dureza dos vossos corações”, conforme o Senhor Jesus afirmou, que Moisés permitiu o divórcio.
Desta forma, se o divórcio foi permitido por Moisés, e tolerado por Deus, por causa da “dureza do coração” dos israelitas, com o objetivo de proteger a mulher da violência, da humilhação imposta por seus maridos, então, quer nos parecer que nós, os cristãos, não podemos nos basear no mau exemplo de Israel para a aceitação do divórcio entre nós. Presume-se que os motivos que justificaram o divórcio em Israel, não existam, hoje, na Igreja.
Foi por causa da “dureza de coração” que Moisés permitiu o divórcio, mas, foi, também, por causa da “dureza de coração” que Israel foi rejeitado como povo de Deus. Não podemos imitar Israel!
Israel não apenas usou, como também abusou da permissão para o divórcio. No tempo do profeta Malaquias, os próprios sacerdotes divorciavam de suas esposas para casarem com mulheres mais novas, até mesmo com mulheres pagãs. Foram acusados de cobrir o altar do Senhor de lágrimas, choro e gemidos, certamente lágrimas, choros, e gemidos de esposas e filhos que ficaram abandonados - “...cobris o altar do Senhor de lágrimas, de choros e gemidos; de sorte que ele não olha mais para a oferta, nem aceitará com prazer da vossa mão... Porque o Senhor foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher do teu concerto” (Ml 2:13-14).
O mal exemplo de Israel não pode ser copiado pela Igreja. Lá, os próprios sacerdotes trocavam “a mulher do teu concerto”, ou seja, a mulher com quem haviam se casado quando jovem - “a mulher da tua mocidade”. Estas, depois de anos de casamento, mãe de vários filhos, envelheciam. Então eram trocadas por mulheres novas. Deus denunciou isto como sendo deslealdade - “com a qual fostes desleal”. Por causa da “dureza de coração” Israel foi, também, rejeitado por Deus.
Conta-nos Flavio Josefo, historiador judeu que foi contemporâneo de Jesus, baseado em análises do Talmude, que os judeus divorciavam de suas esposas por motivos os mais banais, tal como - “se elas queimassem o pão, se estragavam um prato ao prepará-lo, e até se encontrassem outra mais bela”.
Não foi sem razão que Israel foi rejeitado como povo de Deus. Para ocupar o seu lugar, no Plano espiritual, Deus escolheu a Igreja - eu, e você! Deus não quer que a Igreja repita os erros de Israel. Deus espera que sejamos “...um povo seu especial, zeloso de boas obras”(Tito 2:14).
2. A carta de divórcio. “Era um documento legal, fornecido à mulher repudiada, a qual ficava livre para casar de novo. Chamava-se de ‘carta de liberdade’ – ‘documento de emancipação’ – que lhe dava direito a novo casamento”(Elinaldo Renovato).
A lei de Moisés apenas exigia que o repúdio se desse por escrito (daí a expressão “carta de divórcio” ou “carta de repúdio”) – Dt 24:1, bem como proibia a mulher que fora repudiada, depois de viver com outro marido, retornar para o primeiro marido, pois tal atitude era considerada abominação ao Senhor (Dt 24:4).
O homem que tivesse acusado falsamente a mulher de pecado sexual antes do casamento, não poderia repudiar a mulher alvo da acusação (Dt 22:13-19), assim como o homem que tivesse desvirginado uma jovem e fosse compelido a se casar pelo pai da moça, não poderia jamais repudiar a mulher (Ex 22:16,17; Dt 22:28,29). Verificamos, portanto, que, para a lei de Moisés, a perda do direito de repudiar a mulher era uma penalidade ao homem.
Respondendo aos fariseus, o Senhor Jesus posicionou-se contra o divórcio, dizendo: “...o que Deus ajuntou não o separe o homem”. Daí a pergunta dos fariseus: “Então por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio, e repudiá-la?”. O Senhor Jesus afirmou que “...Moisés por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas no principio não foi assim”. Ficou claro, na opinião de Jesus, que o divórcio foi uma invenção do homem, não de Deus. Isto confere com a declaração feita por Salomão:“Vede, isto tão somente achei: que Deus fez ao homem reto, mas eles buscaram muitas invenções”(Ec 7:29).
O divórcio foi, sem dúvida, uma destas invenções, toleradas pela vontade permissiva de Deus. Pela vontade permissiva Deus consente ao homem agir de acordo com o seu livre arbítrio. Porém, a responsabilidade dos atos praticados é, inteiramente, do homem. É como se Deus não estivesse no negócio. Dando certo, sorte do homem; dando errado, responderá pelo seu erro.


II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO

Conquanto não se encontre no propósito divino o divórcio, ele é visto por Jesus como uma realidade neste mundo contaminado pelo pecado. Jesus, no sermão do monte, onde se contém uma síntese de Sua doutrina, foi bem claro ao mostrar que o divórcio não se encontra no plano de Deus para o ser humano, mas que é consequência do pecado e, como o pecado é, ainda, uma realidade na sociedade humana, devemos saber conviver com o problema do divórcio. É claro no ensino de Jesus que o divórcio é tolerado, embora não seja algo desejado. É uma realidade que temos de enfrentar.
1. A pergunta dos fariseus. “...É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?"(Mt 19:3). Esta foi a pergunta que os fariseus fizeram a Jesus. Mateus afirma que a pergunta foi feita para tentar Jesus. Na verdade, como mestres que eram, eles sabiam que não era lícito. Os mestres, ou ensinadores da Palavra, sabem o que é e o que não é lícito. Se erram, quase sempre é por conveniência. O que eles queriam era indispor Jesus com a sociedade judaica, ou fazê-lo cair em contradição face ao que ensinava a seus discípulos.
Jesus respondeu aos fariseus: “Ele, porém, respondendo, disse-lhes: não tendes lido que aquele que os fez no principio macho e fêmea os fez, e disse: Portanto deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem”(Mt 19:3-6).
Recordando o “principio” referido por Jesus, neste diálogo com os fariseus, lembramos que tudo começou quando Deus declarou: “...Não é bom que o homem esteja só: far-lhe-ei uma adjutora...”(Gn 2:18). “Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar. E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão”(Gn 2:21-22).
Perceba a sequência da expressão: “uma adjutora...uma costela...uma mulher”. Quer nos parecer que, do projeto original de Deus, podemos extrair duas verdades:
- Deus consagrou o principio da monogamia.  Podendo fazer diversas mulheres, uma vez que ossos não faltavam, Deus, contudo, preferiu fazer apenas uma. Esta decisão de Deus excluía a poligamia, ou seja, diversas mulheres para cada homem! Pelo projeto original de Deus, uma Família deveria se formar pela união de um homem com uma mulher.
- Ao fazer apenas uma mulher, Deus excluiu o divórcio. Caso Adão repudiasse sua mulher não haveria outra alternativa senão ficar só.
Quando o Senhor Jesus afirmou que “no principio macho e fêmea os fez” ele estava dizendo que não havia para Adão, e nem para Eva, a possibilidade de troca de parceiro. Assim, pelo projeto original de Deus o casamento seria uma união tão perfeita que tornava o casal como se fosse um só corpo, ou uma só carne. A possibilidade de divisão não estava, pois, prevista. Deus não planejou o divórcio.
2. O ensino de Jesus. Diante da resposta de Jesus, os fariseus não imaginavam que Jesus fosse se manifestar contra o divórcio, visto que ele era amplamente aceito pela sociedade judaica, no seu tempo. Porém, pelo que sabemos, o Senhor Jesus, quando se tratava de defender a verdade de Deus ele não se preocupava em ter que contrariar a vontade do povo. Ele colocou, com muita clareza, o pensamento de Deus acerca do casamento e do divórcio: “...Não tendes lido que aquele que os fez no principio, macho e fêmea os fez, e disse: portanto, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne...”.
Acreditamos que o Senhor Jesus não poderia ser mais claro do que foi, em sua resposta. Afirmando que, pelo casamento, o homem e a mulher se tornam numa unidade, “numa só carne”, ou “numa só pessoa”, como diz a Bíblia, na Linguagem de Hoje.
A unidade é indivisível. Assim, ele deixou claro sua posição contrária ao divórcio. Porém, para que não pairasse qualquer dúvida, completou seu pensamento, afirmando - “...Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem”.
Esta, segundo Jesus, é a regra geral, porém, a esta regra admitiu uma exceção - “Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa da prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério”. Pelo exposto, ficou claro e patente o pensamento de Jesus acerca do casamento e do divórcio. Para Ele o casamento é monogâmico e indissolúvel; o divórcio só pode ser admitido numa exceção - no caso de prostituição.
Este ensino de Jesus assustou seus próprios discípulos - “Disseram-lhe seus discípulos: se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar”. Eles ficaram chocados com o ensino de Jesus, que só admite divórcio e novo casamento no caso de infidelidade. Eles que viviam numa sociedade patriarcal e machista, estavam acostumados a ver o divórcio “por qualquer motivo”. Todavia, o Senhor Jesus não fez qualquer emenda suavisadora para contentar seus discípulos - “Ele, porém, lhes disse: nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido...Quem pode receber, receba-o” (Mt 19:10-12).


III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO

Paulo, tal como Jesus, como regra geral, sustentou a indissolubilidade do casamento. Escrevendo aos casais crentes, ele diz: “Todavia aos casados, mando, não eu mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido...e que o marido não deixe a mulher”. Esta é a regra quanto a indissolubilidade do casamento.
Em suas epístolas, o apóstolo Paulo menciona a questão do casamento quando indagado a respeito pela igreja que estava em Corinto, demonstrando que havia uma certa preocupação dos cristãos em não repetir os costumes licenciosos e permissivos então vigentes na sociedade helenística daquele tempo. Esta preocupação já nos mostra que o crente deve ter um comportamento diferente, em relação ao assunto, do comportamento mantido pelo mundo, comportamento que é caracterizado pela total banalização do casamento, que é uma das características dos gentios nesta dispensação da graça, às vésperas da vinda do Senhor (Mt 24:37-39; Hb 13:4).
Conforme o evangelista dr. Caramuru Afonso Francisco, nesse ensinamento aos coríntios (1Co 7), Paulo trata da questão dos casamentos mistos, ou seja, dos casamentos realizados ANTES da conversão, em que um dos cônjuges é crente e o outro se recusa a aceitar a fé, impondo uma situação-limite entre a comunhão com Deus e a comunhão com o cônjuge. Temos, aqui, uma situação em que o casamento é colocado em xeque por causa da vida de comunhão com Cristo. Era uma situação nova, pois não havia casamentos mistos entre os judeus, mormente após a radical reforma que Esdras e Neemias empreenderam no meio do povo (Ed 9 e 10).
O ensinamento de Paulo é no sentido de que os cônjuges crentes devem preservar o casamento e tentar conquistar seus cônjuges para Cristo, mas que, em havendo uma situação-limite entre a fé e o casamento, havendo iniciativa do cônjuge incrédulo com vistas ao divórcio, o cônjuge crente deve consentir com a dissolução do vínculo, ficando livre para se casar novamente, contanto que seja no Senhor (1Co 7:12-17). Salvo nestas hipóteses, não permite o divórcio, embora tolere a separação, mantido o vínculo matrimonial (1Co 7:10,11), que chamamos de separação pedagógica.
Este ensinamento de Paulo, que não era específico aos coríntios, mas que o texto diz que era o que o apóstolo ensinava em todas as igrejas (1Co 7:17), mostra bem que a igreja deve desconsiderar a vida ANTES da conversão da pessoa, pois a pessoa não tinha conhecimento da salvação e não devemos levar em conta os tempos da ignorância, já que nem Deus os considera (At 17:30). O que a igreja deve, portanto, fazer, é ensinar os novos convertidos a respeito do que ensina a Bíblia Sagrada e orientá-los no sentido de conquistarem seus cônjuges para Cristo mas, em havendo a situação-limite, aceitarem eventuais divórcios, visto que eles são uma demonstração da verdadeira fidelidade do crente a seu Senhor e da dureza do coração do cônjuge descrente. Temos, aqui, caso de divórcio e não de simples separação, como defendem os romanistas, pois o texto de 1Co 7:12-17 é uma situação especial, diferente da regra geral contida em 1Co 7:10,11.
Neste particular, aliás, temos visto que muitas igrejas locais não têm se comportado como mandam as Escrituras, exigindo daqueles que se convertem já divorciados que se reconciliem com seus antigos cônjuges, desconsiderando até, em muitos casos, que já há situações de fato irreversíveis, com constituição de novas famílias por ambos os ex-cônjuges. Se tudo isso ocorreu ANTES da conversão, deve ser totalmente desconsiderado pela igreja, que deverá cuidar para que, doravante, o novo convertido possa estabelecer uma vida familiar de acordo com os ditames da Palavra de Deus.


IV. AS CAUSAS DO DIVÓRCIO

As causas do divórcio são semelhantes às do adultério. Há aspectos específicos a serem considerados, mas, quando um casal não consegue mais viver a aliança conjugal, certamente, é porque um ou os dois deixaram de cumprir as orientações da Palavra de Deus para o matrimônio.
Mencionaremos apenas cinco causas do divórcio:
  • Descuido da vida cristã dos cônjuges.
  • Ausência do perdão.
  • Indisposição às mudanças necessárias.
  • Ausência do Amor.
  • Práticas abomináveis, que desfazem o vínculo conjugal.
1. Descuido da vida espiritual dos cônjuges. A crise em um casamento já é sintoma de que há uma crise espiritual. O Inimigo fica satisfeito quando vê o marido assistindo à TV, horas a fio, ou gasta a maior parte do seu tempo disponível na internet, e não se interessa pela oração e pela leitura devocional e estudo das Escrituras Sagradas; e também, quando a esposa prefere ocupar o tempo vendo novelas, filmes e outros programas que não edificam a vida espiritual. Lemos nas Escrituras que “Se o Senhor não edificar o lar em vão trabalham os que o edificam”(Sl 127:1). Nosso casamento precisa ser regado à oração e leitura da Palavra de Deus.
2. Ausência do Perdão. Sem a disposição para o perdão, nenhum casamento consegue sobreviver por muito tempo. Quantos problemas antigos e mal resolvidos sempre voltam às discussões atuais! Quando o cônjuge permite que os fantasmas do passado continuem assombrando o presente, reavivando antigas amarguras, eles fazem com que as cicatrizes e feridas passadas não se fechem e se curem. Quem não perdoa está matando aos poucos o sonho do casamento. Nos admoesta a Palavra: ”Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também” (Cl 3:13.
3. Indisposição às mudanças necessárias. Se formos bem honestos, teremos que admitir que nem tudo em nosso cônjuge nos agrada. Há hábitos, manias, comportamentos que nos irritam e nos tiram do sério. Porém isto é normal em qualquer casamento. Precisamos aceitar o fato de que somos diferentes do nosso cônjuge em muitas coisas, afinal viemos de famílias diferentes, de costumes e valores que nem sempre são os mesmos. Não obstante termo diferença que são de nós mesmos, há muitas coisas em que precisamos ser mudados, e o que causa tensão no casamento é que os cônjuges não querem mudar, não se dispõem a mudanças necessárias para o bom convívio entre marido e mulher; pelo contrário, concentram grande esforço em tentar mudar o outro. Tal atitude cria fortes resistências, o cônjuge não muda e começa a cobrar mudanças no outro, acentua os defeitos e minimiza as qualidades.
4. Ausência de amor. “Eu não o amo mais”. Essa é uma frase comumente usada pelos cônjuges em crise para dar plausividade e legitimidade ao divórcio. Mas como tudo o que é dito na Bíblia, o amor também sofre de má compreensão. O amor não é um sentimento para ser vivido apenas em bons momentos a dois, ou só na lua-de-mel. Conforme Cristo disse, o marido tem que amar a esposa como Cristo amou a Sua igreja – dando sua vida por ela. Amor é a decisão de agir em favor do outro.
5. Práticas abomináveis, que desfazem o vinculo conjugal. Segundo o pastor Elinaldo Renovato, o divórcio não faz parte dos planos de Deus. Assim como a  poligamia, no Antigo Testamento, que Ele permitiu, ou melhor, tolerou. Há casos em que é impossível manter um relacionamento conjugal. Se o esposo espanca a esposa; se ele vive traindo sua mulher; se ela vive na prática de adultério; se um ou outro entra pelo caminho do homossexualismo; tais práticas são tão abomináveis, que desfazem o vinculo conjugal, e, na permissibilidade de Cristo, Ele admite o divórcio. Não como regra, mas como exceção, como um ‘remédio amargo’ para um mal maior. Se não fosse assim, um servo ou uma serva de Deus seriam atingidos duas vezes: uma pelo Diabo, que destrói relacionamentos; e, outra, pela igreja local, que condenaria uma vítima a passar o resto da vida em companhia de um ímpio, ou viver sob o jugo do celibato, que não faz parte dos planos de Deus. Disse o Senhor, o Criador: “Não é bom que o homem esteja só” (Gn 2:18).
O divorcio não oferece uma oportunidade fácil de começar uma vida nova. Lembre-se que sempre que desobedecemos a Deus sofremos consequências. Levam-se cicatrizes do divórcio para sempre. Note as palavras de um irmão após alguns anos de seu divorcio: ”Acho que a morte é mais fácil de suportar do que um divórcio, porque nela existe um fim. O divorcio simplesmente não acaba”.


V. O DIVÓRCIO ACONTECEU E AGORA?

O casamento chegou ao fim, sonhos desfeitos e tantas outras coisas que não vale a pena mencionar. Quando o divórcio for inevitável o que fazer? Há crentes que quando se divorciam deixam a igreja, se afastam, mas é nessa hora que eles mais precisam de Deus. O crente divorciado precisa fazer uma avaliação do porquê do divórcio, corrigir erros, ou até quem sabe pedir perdão. Mas o que ele precisa saber é que Deus o ama, e que sempre o dará oportunidade de ser feliz. É por isso que Ele é misericordioso e cheio de graça.
Meu irmão divorciado, problemas virão, mas dedique-se a Deus; muitos o criticarão, porque eles não sabem o que o levou a isso, ore por eles.
A história conta e registra sobre um grande terremoto que destruiu a cidade de Lisboa, e o rei de Portugal chamou o seu general e perguntou-lhe o que faço agora? E o general lhe respondeu: “vamos enterrar os mortos, cuidar dos vivos e fechar os portos”.  Portanto:
- Enterre os mortos - seu casamento não deu certo, não se prenda a fantasmas do passado, não se sente em um local e fique a lamentar, não desista da vida.
- Cuide dos vivos - a vida continua, você tem filhos, tem parentes, amigos, tem a igreja.
- Feche os portos - não permita que sentimentos negativos tomem conta de você, levante a cabeça seja um vencedor. Lembre-se, Jesus veio para dar vida e vida em abundância. Recomece com Deus, faça diferente, seja fiel. Amém?


CONCLUSÃO

Deus quer a família unida; Satanás, porém, procura dividi-la, separando casais, deixando crianças para trás, muitas vezes, no abandono, ou entregues a terceiros. Porém, quando o casal faz o propósito e o cumprem, de orar todos os dias por si, por seus filhos e por seu casamento, as brechas são fechadas. De modo que o Adversário não pode ter êxito em seus intentos destruidores do casamento. Além do mais, esse casal pode contar com o segredo do Cordão de três dobras: “...e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa” (Ec 4:12). Este “Cordão”, formado pelo esposo, pela esposa, e por Jesus, colocado entre eles é , na verdade, inquebrável. Que assim seja!
-------
Elaboração: Luciano de Paula Lourenço – Prof. EBD – Assembléia de Deus – Ministério Bela Vista. Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com
Referências Bibliográficas:
Bíblia de Estudo Pentecostal.
O Novo Dicionário da Bíblia – J.D.DOUGLAS.
Revista Ensinador Cristão – nº 54 – CPAD.
Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal.
A Família Cristã e os ataques do inimigo – Elinaldo Renovato – CPAD.
Divórcio à Luz da Bíblia – Dr. Caramuru Afonso Francisco.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...