terça-feira, 11 de junho de 2013

Adolescentes - Lição 11: Os ensinos de Jesus - Aula Dinâmica

Professoras e professores, para esta lição, apresento as seguintes sugestões:
 - Iniciem a aula, falando: A aula de hoje será sobre os ensinos de Jesus.
Ops! Não está faltando alguma coisa para iniciar a aula?
Costumeiramente e repetidamente coloco aquela parte(que vocês já conhecem) que deve acontecer antes de começar  o estudo da lição. Mas, pode ser que alguém não se lembre e haja algum visitante novato neste blog, então vou expor novamente o que vocês devem fazer para iniciar uma aula:
“- Iniciem a aula, cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Escutem atentamente as falas dos alunos e observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
Compreendem a importância desse ato?
Vocês realmente estão fazendo isto?”
- Agora, vocês iniciam o estudo da lição, falando: A aula de hoje será sobre os ensinos de Jesus.
- Em seguida trabalhem o conteúdo da lição, através da dinâmica“Aprendendo com Jesus”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Aprendendo com Jesus

Objetivo: Explicar as formas de ensino de Jesus.

Material:
Cópia da Oração do Pai Nosso explicada(postada abaixo), para cada aluno.
06 envelopes
Nomes de 06 parábolas digitados, com um pequeno resumo de cada uma: A Dracma Perdida, A Ovelha, O filho Pródigo, O Bom Samaritano, A Figueira Estéril e Os Primeiros assentos.
O resumo de cada parábola vocês podem utilizar aquela da lição.
Procedimento:
1 - Falem: Jesus ensinou de várias formas:
 - Através das parábolas: a Bíblia relata 40 parábolas e nesta lição são analisadas 06 delas:
 A Dracma Perdida
A Ovelha
O filho Pródigo
O Bom Samaritano
A Figueira Estéril
Os Primeiros assentos
- Através da oração: Ele ensinou os discípulos a orar com o exemplo da oração do Pai Nosso.
2 – Perguntem: Quem sabe a oração do Pai Nosso?
- Que tal fazermos esta oração, agora?
Então, deixem que os alunos repitam esta oração sem ler.
- Depois perguntem: Vocês entendem o que quer dizer cada parte desta oração?
- Falem: Muitas pessoas repetem esta oração de forma mecânica sem entender o significado de cada parte.
- Vamos agora, estudar sobre esta oração ensinada por Jesus(Mt 6. 9 a 13). Então, entreguem para cada aluno uma cópia da Oração do Pai Nosso explicado(postada abaixo).
- Falem: Jesus não falou para que a repetíssemos, como a maioria faz, mas  deu um exemplo de como orar.
- Leiam Mt 6. 7a: “E, orando, não useis de vãs repetições...”
3 – Falem: Agora, procurem pela sala 06 envelopes.
Observações:
Em cada envelope deve estar escrito um resumo de cada uma das 06 parábolas destacadas na lição.
Vocês devem chegar na aula antes dos alunos e esconder estes envelopes.
- Quando os alunos encontrarem, eles devem abrir os envelopes, um de cada vez, e ler o conteúdo.
- Depois, falem: Nestas parábolas há uma coisa em comum: algo que estava perdido e que foi achado. Este ensinamento Jesus passou para o povo, para que entendessem através da história(parábola) que Ele Jesus veio achar e salvar o que havia se perdido.
- Leiam Lc 19.10 “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido”.
- Perguntem: Vocês devem ter perdido algum objeto. Como foi a sensação de ter perdido? Conseguiu achar o objeto?
Aguardem os relatos. Certamente, haverá depoimentos de alegria quando é encontrado o objeto perdido.
- Então, falem:
Nas parábolas a seguir, há uma constatação de alegria descrita, vejam:
Ovelha Perdida: há o seguinte versículo: “Alegrai-vos comigo, porque achei a minha ovelha perdida”(Lc 15. 6);
Dracma Perdida: vejam o que diz a mulher ao achar o dinheiro:  “Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida”(Lc 15. 9);
Filho Pródigo: o pai ao rever o filho diz: “porque este meu filho estava morto e reviveu, tinha-se perdido e foi achado. E começaram a alegrar-se”.
- Agora, contextualizem esses versículos com os relatos dos alunos.
- Falem: Jesus veio naquele tempo com este ensino e que seu sacrifício para salvar a todos, alcança inclusive eles(os alunos) hoje. Perguntem se há alguém que ainda não fez esta opção de seguir a Cristo, aceitando-o como Salvador. Depois, façam uma oração pelos alunos.
- Leiam Lc 15. 7a  “Digo-vos que haverá alegria no céu por um pecador  que se arrepende...”
Por Sulamita Macedo.

  
O Pai Nosso explicado

1 - “Pai Nosso, que estais no céu, santificado seja o vosso nome;...”
    Esta parte inicial deixa claro que toda oração deve ser dirigida exclusivamente ao Deus Criador (ao Pai), que está no céu. Segundo a Bíblia, a palavra santificado significa: separado, diferenciado, exclusivo e de forma inconfundível. Logo, toda oração deve ser encaminhada diretamente ao Deus Criador. Isso quer dizer que não convém endereçarmos a personalidades históricas tentando bajulá-las com "jeitinho brasileiro". Suborno, corrupção e pistolão, só "funcionam" na sociedade brasileira, no relacionamento com Deus esse tipo de tentativa não é indicado.
2 - “... venha a nós o vosso reino;...”
    Aqui, Jesus Cristo usou a palavra reino porque, naquela época, a maioria dos povos só conhecia organizações do tipo “reinado” (um rei e seus súditos). Nos dias de hoje as "sociedades" são mais comuns (governantes e cidadãos). Portanto, a expressão reino de Deus quer dizer sociedade de Deus, critérios sociais estabelecidos e administrados por Deus. Logo, nesta parte da oração Jesus Cristo nos ensina que não devemos inventar leis de nós mesmos. Precisamos praticar as leis de Deus (Seus mandamentos) para sermos cidadãos do seu reinado e termos direito a petições.
3 - “... seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”.
    Nesta parte Jesus deixa claro que mesmo nos tornando cidadãos do reino de Deus, não podemos fazer projetos a revelia. Temos que nos adaptar aos critérios de Deus e nos conformar com o que Ele nos permitir. Só assim seremos, de fato, bem-aventurados (bem-sucedidos) em tudo o que fizermos.



4 - “O pão nosso de cada dia nos dai hoje;...”
   Aqui, a palavra pão significa suprimento, alimento, vestimentas, etc. Nesta parte Jesus ensina que não adianta pedir a mais com o intuito de estocar. Deus só concede o que necessitamos de imediato, o amanhã é um outro dia e não adianta pedir com antecedência. (Provavelmente para não descuidarmos com o que já temos nem desperdiçarmos).
5 - “... perdoai-nos as nossas ofensas [dívidas], assim como nós perdoamos aos que nos ofenderam [aos nossos devedores];...”
    Nesta parte fica evidente que se estamos em débito com Deus, precisamos pedir o perdão destas dívidas (destas ofensas) para que, estando sem débitos, Deus nos conceda aquilo que desejamos. Note, entretanto, que existe uma condição para que Deus nos perdoe e, consequentemente, nos atenda. A pré-condição é sermos capazes de perdoar os que estão em débito conosco também (aos que tenham nos ofendido), de modo a alcançarmos o perdão de Deus e recebermos aquilo que desejamos.
6 - “... e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”.
   Aqui, Jesus Cristo comenta que o mal e as tentações existem de verdade. A melhor maneira de nos proteger é seguir os ensinamentos de Deus pedindo a Ele frequentemente que nos proteja e nos salve do "predador" da humanidade (mais conhecido como diabo ou satanás).

Autoria desconhecida.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...