segunda-feira, 3 de junho de 2013

Professores Motivados, Alunos Motivados

“PROFESSORES MOTIVADOS, ALUNOS MOTIVADOS”

“... o que ensina esmere-se no fazê-lo”
Romanos 12.7b


I – A Escola Bíblica Dominical
História da EBD no Mundo e no Brasil

“O movimento religioso que nos deu a Escola Dominical como a temos hoje, começou em 1780, na cidade de Gloucester, no sul da Inglaterra. O fundador foi o jornalista evangélico (episcopal) Robert Raikes, de 44 anos, redator do “Gloucester Journal”. Raikes foi inspirado a fundar a Escola Dominical ao sentir compaixão pelas crianças de sua cidade, perambulando pelas ruas, entregues à delinqüência, pilhagem, ociosidade e ao vício, sem qualquer orientação espiritual. Ele, que já há quinze anos trabalhava entre os detentos das prisões da cidade, pensou no futuro daquelas crianças e decidiu fazer algo em seu favor, a fim de que mais tarde não fossem também parar na cadeia. Procurava as crianças em plena rua e em casa dos pais e as conduzia ao local de reunião, fazendo-lhes apelos para que todos os domingos estivessem ali reunidas. O início do trabalho não foi fácil. [...] De acordo com as diretrizes de Raikes, nas reuniões dominicais, além do ensino das Escrituras, era também ministrado às crianças rudimentos de linguagem, aritmética e instrução moral e cívica. O ensino das Escrituras consistia quase sempre de leitura e recitação. Em seguida, teve início a prática de comentar os versículos lidos. Muito depois é que surgiu a revista da Escola Dominical, com lições seguidas e apropriadas. [...] O jornal do qual ele (Raikes – G.E1) era redator foi uma coluna forte na defesa e apoio da novel instituição, publicando extensa série de artigos sob o título A ESCOLA DOMINICAL, reproduzidos nos jornais londrinos. Foi assim o começo da Escola Dominical – o começo de um dos mais poderosos movimentos da história da Igreja... Ao fundar a primeira Escola Dominical em 20-7-1780, Raikes estabeleceu o seguinte: desenvolver inicialmente uma fase experimental de três anos de trabalho. Após isso, conforme os frutos produzidos, ele divulgaria ao mundo tudo sobre o trabalho em andamento. Mal sabia Raikes que estava lançando os fundamentos de uma obra espiritual que atravessaria os séculos e abarcaria o globo, chegando até nós, a ponto de ter hoje dezenas de milhões de alunos e professores, sendo a maior e mais poderosa agência de ensino da Palavra de Deus de que a Igreja dispõe. Nessa fase experimental (1780-1783), Raikes fundou 7 Escolas Dominicais somente em Gloucester, tendo cada uma 30 alunos em média. Os abençoados frutos do trabalho logo surgiram entre as  crianças, refletindo isso profundamente nos próprios pais. Estava dando certo a experiência com a Palavra de Deus! O que pode fazer a fé em Deus e o amor a Ele e ao próximo! Foi no dia 3 de novembro de 1783 em que Raikes triunfalmente publicou em seu jornal a transformação ocorrida na vida de duas crianças. Até hoje, 3-11-1783 é considerado o dia natalício da Escola Dominical. Os benditos e abundantes resultados causaram tal impacto no modo de vida da sociedade, que um ano após (1784), Raikes era o homem mais popular da Inglaterra. No ano seguinte (1785) ele organizou a primeira União de Escolas Dominicais, em Gloucester. [...] Antes de Raikes já havia reuniões similares de instrução bíblica, é evidente, mas foi ele quem, usado por Deus, popularizou e dinamizou o movimento. Na linguagem dos comerciantes, foi ele quem pôs a mercadoria na praça. Por sua vez, o atual sistema de escolas públicas gratuitas inspirou-se no movimento da Escola Domincal. [...] Em 1784, isto é, quatro anos após o início do movimento, a Escola Dominical já contava com 250 mil alunos matriculados. A Escola Dominical é hoje um dos fatores de promoção do reino de Deus e dos destinos do mundo, através dos cidadãos nela formados”.
 – “Pr. Antônio Gilberto – “Manual da Escola Dominical” – CPAD, 17ª ed., pág.108, 114-116.
“Hoje, a Escola Dominical conta com mais de 60 milhões de alunos matriculados, em mais de 500 mil igrejas protestantes no mundo. É a minúscula semente de mostarda plantada e regada, que cresceu para ser uma grande árvore cujos galhos estendem-se ao redor do globo” – Ruth Doris Lemos, em artigo.

Benefícios Trazidos pela EBD

a)      Ela é uma agência de ensino bíblico para a Igreja. Nela, os alunos encontram ensinamento espiritual sadio, o que fortalece as suas vidas espirituais. Nela, os alunos também são preparados para responder à este mundo que pergunta (1 Pe 3.15);

b)     Exerce uma função discipuladora para os novos convertidos, ou seja, ensina aos novos convertidos a Palavra de Deus, de modo que ele possa se desenvolver espiritualmente. A EBD também contribui muito para a integração do novo convertido no seio da Igreja. Ao invés de permanecer o tempo todo num grande grupo de pessoas, ele tem a oportunidade de se inserir através de grupos pequenos, como as classes de EBD;

c)      A EBD contribui decisivamente para a estruturação espiritual da Igreja, pois ensina as verdades bíblicas;

d)     Contribui positivamente na vida das pessoas por ela alcançadas;

e)      A EBD alcança a todas as faixas etárias – desde a criança de colo até ao mais velho ancião da igreja;

f)       A EBD é também decisiva na formação de novos obreiros para a casa do Senhor; uma pesquisa feita pela Casa Publicadora das Assembléias de Deus norte-americanas, em 2006, revelou que a grande maioria de seus ministros, obreiros e trabalhadores nas suas igrejas, foram criados na EBD, evidenciando assim ser a EBD um grande celeiro de futuros obreiros;

g)     A EBD leva ensino bíblico para nossas crianças e adolescentes, o que é muito necessário, visto que as escolas seculares, infelizmente, acabam sendo até mesmo perigosas em certos ensinos que trazem (por exemplo: o evolucionismo). A escola secular é necessária e fundamental para a formação e o futuro de nossas crianças e adolescentes, mas ela visa apenas o intelecto, enquanto que a EBD visa o intelecto, o coração e a espiritualidade do aluno!

II – O que é o “ensino bíblico”?

Ensinar

Ensinar é dirigir ou orientar tecnicamente a aprendizagem. Segundo Myer Pearlman, ensinar “é despertar a mente do aluno para captar e reter a verdade”. O vocábulo “ensino” aparece no Antigo Testamento com o sentido de “doutrina” (Dt 32.2; Jó 11.4; Pv 4.2) e “entendimento” (Pv 1.5,29; 2.3). No Novo Testamento, as duas principais palavras no original para ensino são “didache” (“instrução”, “ensino”) e “didaskalia” (“ensino”, “doutrina”). Esses termos transmitem a idéia tanto do ato de ensinar como do conteúdo do ensino.

Dados de Uma Pesquisa

O Pastor Terry Johnson conta que certa vez foi calculado que 19 em cada 20 crentes se converteram antes de chegarem aos 25 anos de idade. Depois de 25 anos, um em cada 10 mil crentes. Depois de 35 anos, um cada 50 mil. Depois de 45 anos, apenas um em 200 mil. Depois de 55 anos, apenas um em 300 mil. Depois de 65 anos, apenas um em 500 mil, e, depois de 75 anos, apenas um 700 mil!; Dt 31.12,13 – o ensino ministrado em reuniões públicas.

Incoerência para com a Bíblia

O Pastor Terry Johnson conta que há vários anos atrás, uma pesquisa foi feita nos EUA para descobrir quais eram os quatro itens mais utilizados dentro de casa. Os resultados mostraram que esses quatros itens eram: 1) o forno microondas; 2) a secretaria eletrônica; 3) a televisão e, 4) o aparelho de vídeo. Logo depois, uma outra pesquisa descobriu que 73% dos lares americanos tinham pelo menos, um exemplar da Bíblia Sagrada.

1. O valor do ensino bíblico para a Igreja

Fp 1.9; 1 Tm 4.6; Mt 28.19,20

2. O valor do ensino bíblico para a família

Pv 22.6

III - Como Ser Um Professor Motivado

Quatro Tipos de Professores:

1. O que sem o como (o professor que sabe o que vai ensinar, mas não como vai ensinar)

2. O como sem o que (o professor que sabe como ensinar, mas não sabe o que vai ensinar, não tem conhecimento bíblico)

3. Sem o que e sem o como (esse é o tipo de professor mais deficiente, mais despreparado para o ministério de ensino: ele não sabe o que vai ensinar e nem como vai ensinar)

4. O que e como (esse é o modelo ideal de professor: ele sabe o que vai ensinar [ele tem conhecimento bíblico e teológico sadio] e sabe também como aplicar o ensino) - seja você esse professor!

O Professor motivado é o professor preparado:
Biblicamente
Teologicamente
Espiritualmente
Fisicamente
Didaticamente

Métodos de Ensino
Discussão
Perguntas e Respostas
Discussão em pequenos grupos
O debate

Erros que o professor deve evitar!

1. Não orar
2. Não estudar e conhecer a Bíblia
3. Não zelar pelo seu testemunho pessoal
4. Não estar sempre preparado
5. Responder à todas as perguntas
6. Ser indelicado
7. Não ser objetivo; gerar polêmicas
8. Ser faltoso – não ser assíduo
9. Ser desanimado
10. Sempre atrasar – não ser pontual
11. Não ser submisso à direção da EBD
12. Ser murmurador, gerador de contendas
13. Não ser cuidadoso quanto ao vernáculo
14. Parar no tempo
15. Não ter nenhum objetivo
16. Não saber “o que” e nem “como” vai ensinar
17. Desconhecer o seu público alvo, ou seja, a classe para a qual vai lecionar

Tempo de Aula
Abertura – 5%
Conclusão – 15%
Interpretação – 30%
Aplicação – 40%
Introdução – 10%

Preparado pelo Professor Roney Ricardo - roneycozzer@hotmail.com

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...