quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Jovens e Adultos: Lição 09: A Verdadeira Sabedoria se Manifesta pela Prática (dinâmica)

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.

2 – Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.

3 – Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou e-mail.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.

4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.

5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associada a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!

6 - Agora, iniciem o estudo da lição. Observem as seguintes sugestões:
- Falem que o tema da aula será “A Verdadeira Sabedoria se Manifesta pela Prática”.
- Trabalhem o conteúdo da lição, buscando a participação dos alunos, para isto motivem a turma de forma que cada aluno se sinta confiante para expor suas ideias.
- Perguntem: O que é sabedoria e conhecimento?
Aguardem as respostas.
Depois falem que a aquisição de conhecimento não significa que a pessoa possui sabedoria relacional, apontada por Tiago, pois muitas vezes a pessoa pode tornar-se soberba, arrogante e tratar mal o próximo. - Dividam a turma em dois grupos.
Peçam que o grupo 01 leia Tg 3.14 a 16 e escreva numa cartolina as características da sabedoria terrena.
Solicitem que o grupo 02 leia Tg 3.13 e 18 e escreva numa cartolina as características da sabedoria divina.
Depois, os grupos devem apresentar o que caracteriza cada uma delas.
- Em seguida, trabalhem com os alunos cada característica dos 02 tipos de  sabedorias, enfatizando a importância da sabedoria que vem do alto, que abrange  o aspecto espiritual, sentimental, emocional e relacional.
- Vejam estas sugestões de textos e dinâmicas que ajudam a exemplificar o tema. Escolham pelo menos uma delas. Para trabalhar sobre:
A inveja, utilizem a dinâmica “Inveja”.
O trato com as pessoas, utilizem a dinâmica “Relacionamentos” ou o texto “Para se Ter um Bom Relacionamento”. 
Entreguem este texto para cada aluno da seguinte forma: dobrem o papel ao meio, repita a operação e depois lacre-o com durex colorido. Depois solicitem para que os alunos abram o texto e realizem a leitura de forma compartilhada. Falem que para ler o texto precisamos abri-lo, isto é, devemos estar abertos a manter bons relacionamentos.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Construindo Pontes”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Inveja

Objetivo: Estudar sobre a inveja.
Material:
Texto “A inveja do Pequeno Ramo”(postado no procedimento)
01 ramo
01 figura de sol
Flores
Folhas secas
01 saco
Sementes
Procedimento:
1 - Leiam com os alunos o texto “A inveja do Pequeno Ramo”(postado abaixo), para que os alunos entendam o que vão fazer.
2 - Agora, após a leitura, façam uma encenação deste texto. Para isto, vocês precisam observar as seguintes orientações:
O narrador deve ser o professor.
Escolher um aluno para ser o pequeno ramo, entregar para ele um ramo verde e folhas secas.
Escolher um aluno para ser o jardineiro e outra pessoa para ser a filha; o jardineiro entra com um saco no bolso.
Observar as orientações em itálico e entre parênteses para os alunos realizarem.

A inveja do Pequeno Ramo

Era uma vez um pequeno ramo. O pequeno ramo estava no topo de uma montanha. A montanha mais bela e alta da floresta, do lado da casa de um jardineiro trabalhador. O pequeno ramo era feliz com seus outros amigos ramos ali(todos os alunos devem ficar agachados deste o início da leitura).
Então o tempo foi passando, e a chuva caía(os alunos devem dizer chuá chuá), e o sol nascia(um aluno deve mostrar o sol). E todos os ramos começaram a crescer(os alunos devem se levantar). Os amigos do pequeno ramo, agora já não eram mais ramos, e sim, botões de flor(os alunos mostram as flores). O pequeno ramo ficou feliz pelos amigos, e resolveu parar seu trabalho de crescimento para observá-los.
Então se passou mais um tempo e os amigos do pequeno ramo já viraram canteiros de rosa. E nada do pequeno ramo crescer(o aluno “pequeno ramo” deve permanecer abaixado). Mas dessa vez, o pequeno ramo não ficou feliz pelos amigos. Ele ficou triste(fazer cara de pessoa triste). Ficou triste e chateado porque seus amigos estavam crescendo e ficando mais bonitos do que ele, simples mato amarelado.
Os amigos do pequeno ramo já eram grandes arbustos e o pequeno ramo estava tão triste de ver seus amigos tão grandes, que ele resolveu ser a praga que estragava a beleza dos grandes arbustos florais.
Agora, os arbustos deixaram cair sementes(os alunos jogam sementes pelo chão), que se multiplicaram, e que formaram um jardim. E cada vez mais, o pequeno ramo tentava estragar a beleza do jardim, se alastrando por todo o gramado.
Chegou um dia que ele ficou tão triste, mas tão triste por causa dos amigos, que resolveu se transformar em uma verdadeira praga parasita, e começou a influenciar os amigos a deixar de produzir aquelas flores tão belas, para que fossem apenas simples arbustos, e o lugar iria ficar mais bonito.

- Simplicidade, meus colegas, simplicidade. Ele os enganava.
Alguns caíam em sua conversa, outros não.
Até que um dia veio o jardineiro daquele lugar, com a filha pequena(o aluno jardineiro e a filha entram). A menina adorou as roseiras. Mas ela notou que havia um matinho chato as enforcando(a menina fica olhando entre as roseiras). Então pediu para o pai arrancar o que estava estragando o trabalho tão bonito do tempo, e da natureza, com seu coração todo mole pelas rosas.
Então o pequeno ramo foi arrancado(o aluno pequeno ramo sai, puxado pelo braço). E só o que sobrou dele, foram suas folhas secas imundas, que o jardineiro recolheu(o aluno jardineiro apanha as folhas secas e coloca no saco), feliz por ter se livrado de uma praga inconveniente, e causado um sorriso a mais no rosto da pequena filha.
Autoria do texto desconhecida.
3 – Depois, analisem com os alunos sobre as consequências da inveja do pequeno ramo.
4 – Em seguida, falem sobre a inveja dos irmãos de José(personagem bíblico); leiam Gn 37. 5 a 11 e se possível apresentem figuras que ilustrem esta narrativa.
Vocês podem conseguir as figuras no departamento infantil da igreja. Pelo fato de mostrar figuras, isto não quer dizer que é algo infantil, pois depende do enfoque dado pelo professor para o tipo de aluno que tem.
5 – Depois, leiam Gn 49.22 “José é um ramo frutífero, ramo frutífero junto à fonte; seus ramos correm sobre o muro.”
Em seguida, façam uma comparação entre José, um ramo frutífero, com o ramo do texto que não cresceu, estabelecendo diferenças entre eles sobre a inveja, um que foi invejado e o que aconteceu com os irmãos invejosos e o pequeno ramo que invejava seus amigos ramos que cresceram e ele não.
Por Sulamita Macedo.

Dinâmica: Relacionamentos

Objetivo: Exemplificar atos de respeito ao próximo
Material:
¼ da folha de papel ofício e caneta para cada aluno.

Procedimento:
- Organizem os alunos em círculo.
- Distribuam ¼ da folha de papel ofício.
- Solicitem para que cada aluno escreva o que ele deseja que seu colega do lado esquerdo realize, naquele momento da aula. Normalmente as ações são engraçadas e até “micos”.
Veja um exemplo: Maria deve fazer tal coisa. João( nome da pessoa que está escrevendo).
Orientem que o colega não pode ver o que o aluno está escrevendo.
- Recolham todos os papéis.
- Agora, falem: A regra da brincadeira está mudada, o “feitiço virou contra o feiticeiro”. Quem vai realizar a tarefa é a pessoa que escreveu e não o colega para quem você desejou.
- Então, os alunos deverão realizar as tarefas.
Certamente, haverá um pouco de rejeição ou vergonha, mas encorajem os alunos.
- Depois, falem: Esta é a finalidade da brincadeira: não desejar aos outros ou fazer algo com os outros, que você não gostaria para você.
- Para concluir, leiam:
“E, como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós também” Lc  6.31
Ou se preferir a versão NTLH: “Façam aos outros a mesma coisa que querem que eles façam a vocês”.
Ideia original desta técnica desconhecida
Esta versão da dinâmica por Sulamita Macedo          

Texto de Reflexão
Para se Ter um Bom Relacionamento

- Coloque-se no lugar do outro para pelo menos tentar compreender o seu ponto de vista.
- A gentileza é fundamental para manter um bom convívio com as pessoas.
- É possível discutir sem maltratar, sem ofender, sem atacar ou humilhar o outro.
- Confie e seja digno de confiança. Lembre-se, não basta parecer confiável e honesto, tem que ser confiável e honesto.
- Cultive o respeito mútuo por meio de pequenas ações no dia-a-dia.
- Não se envergonhe de pedir ajuda, sempre que for necessário.
- Não se envergonhe de pedir desculpas, sempre que for necessário.
- Não maltrate nem se deixe maltratar.
- Sorria, sempre! Para fazer cara feia, 72 músculos entram em ação, para sorrir, apenas 23. Além disso, o sorriso traz resultados mais agradáveis e positivos do que a cara feia.
- Contribua com 100% para construir um ótimo relacionamento!
Autoria do texto desconhecida.

Dinâmica: Construindo Pontes

Objetivo:
Concluir o estudo sobre a verdadeira sabedoria que se manifesta na prática.
Enfatizar a importância do bom trato com o próximo.
Material:
Cadeiras
Texto “A Ponte” para cada aluno(postado abaixo)

Procedimento:
- Falem: Vamos fazer de conta que vocês estavam discutindo sobre um determinado tema de conhecimento de todos, porém como havia opiniões conflitantes, houve uma discussão acalorada, e dessa forma o grupo se dividiu, se distanciando um do outro, não se falando mais.
- Dividam a turma em 02 grupos.
- Peçam para que fiquem um de frente para o outro, com um espaço livre entre eles.
- Depois, falem: Os grupos estão separados por causa de um problema de relacionamento, isto é, discutiram e estão brigados por falta de bom trato com o próximo que tinham opiniões diferentes.
- Coloquem entre os alunos uma fila de cadeiras.
- Falem: Esta fila de cadeiras nos remete a empecilho de comunicação.
- Perguntem:
O que pode ser modificado para que esta situação seja resolvida, de acordo com o que acabamos de estudar nesta lição?
Aguardem as sugestões.
Espera-se que os alunos apresentem a ideia de que a fila de cadeiras seja retirada, promovendo um restabelecimento de comunhão entre os grupos e bom trato entre as pessoas.
- Depois, falem: O conhecimento sem o uso da sabedoria divina pode tornar as pessoas soberbas e de mal trato com os demais. Podemos ter conhecimento acompanhado de obras de mansidão, pois a sabedoria divina proporciona frutos de justiça que se semeia na paz, para os que praticam a paz(Tg 3. 13 e 18).
- Em seguida, leiam o texto “A Ponte”(postado abaixo), para exemplificar o tema.
- Para finalizar, falem da importância de não construir cercas de separação, mas construir pontes que unam as pessoas.
Que tal deixar que o carpinteiro Jesus trabalhe na nossa mente e atitudes para que sejamos promotores de pontes e não de cercas?
Que tal formar uma ponte entre os grupos, através do abraço?
Por Sulamita Macedo.

Texto de Reflexão
A Ponte
Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito. Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado. Mas agora tudo havia mudado. O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio.
Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem na sua porta. Ao abri-la, notou um homem com uma caixa de ferramenta de carpinteiro na mão.
- Estou procurando trabalho, disse ele. Talvez você tenha algum serviço para mim.
- Sim, disse o fazendeiro. Claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho. Na realidade do meu irmão mais novo. Nós brigamos e não posso mais suportá-lo. Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta.
- Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro. Mostre-me onde estão a pá e os pregos.
O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade. O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro. Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu: em vez de cerca, uma ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho. Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou:
- Você foi atrevido construindo essa ponte depois de tudo que lhe contei.
Mas as surpresas não pararam aí. Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos. Por um instante, permaneceu imóvel do seu lado do rio. O irmão mais novo então falou:
- Você realmente foi muito amigo construindo esta ponte mesmo depois do que eu lhe disse.
De repente, num só impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte. O carpinteiro que fez o trabalho partiu com sua caixa de ferramentas.
- Espere, fique conosco! Tenho outros trabalhos para você. E o carpinteiro respondeu:
- Eu adoraria, mas tenho outras pontes a construir...

Autoria do texto desconhecida.

Fonte: http://atitudedeaprendiz.blogspot.com.br/

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...